Nossas redes sociais

Digite o que você procura

Economia

Dólar fecha estável a R$ 5,27, em dia de decisão do Copom

A cotação iniciou o dia tensa, chegando a subir para R$ 5,31 por volta das 11h30, passou a cair durante a tarde, mas ganhou força perto do fim das negociações, fechando estável. Foto: © REUTERS/Mike Segar/Diretos reservados

Em um dia de decisão sobre os juros básicos no Brasil e de poucas mudanças no cenário internacional, o dólar fechou estável, após alternar altas e baixas ao longo do dia. A bolsa de valores recuperou-se pelo segundo dia consecutivo, beneficiada por ações locais.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (3) vendido a R$ 5,278, com recuo de apenas 0,02%. A cotação iniciou o dia tensa, chegando a subir para R$ 5,31 por volta das 11h30, passou a cair durante a tarde, mas ganhou força perto do fim das negociações, fechando estável.

O mercado de ações teve um dia mais tranquilo. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 103.775 pontos, com alta de 0,4%. Ações ligadas a mineradoras e siderúrgicas, que tinham subido ontem (2), caíram, mas papéis de empresas ligadas ao consumo, como varejistas, valorizaram-se hoje, com a expectativa de que o Banco Central (BC) esteja perto de encerrar o ciclo de altas dos juros básicos.

Na reunião de hoje, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC elevou a taxa Selic de 13,25% para 13,75% ao ano. Apesar de não indicar o fim dos apertos, o comunicado do BC informou que a autoridade monetária deverá reduzir o ritmo de aumento, elevando os juros em 0,25 ponto na próxima reunião, no fim de setembro.

No cenário internacional, a continuidade das tensões entre China e Taiwan continuou a provocar turbulência nos mercados. No entanto, a declaração de uma diretora do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) de que o órgão pode reduzir o ritmo de aumento dos juros nos Estados Unidos diminuiu a pressão sobre o dólar.

Nas duas últimas reuniões, o Fed elevou os juros básicos em 0,75 ponto (em cada encontro). Segundo a presidente da unidade regional de São Francisco, Mary Daly, o Fed deverá subir os juros em 0,5 ponto na próxima reunião. Juros mais altos em economias avançadas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil. Uma redução na intensidade do aperto monetário diminuirá as pressões no mercado internacional.

*Com informações da Reuters

[ID do metacontrolador=”6167″]

Leia também

Economia

A queda na inflação nos Estados Unidos (EUA) provocou uma onda de alívio no mercado financeiro global. O dólar fechou abaixo de R$ 5,10...

Economia

Em mais um dia de alívio no mercado financeiro, o dólar caiu para abaixo de R$ 5,30 e teve o primeiro recuo semanal desde...

Economia

A bolsa de valores registrou uma queda de 1,15%, fechando em 106.638,64 pontos

Economia

O real liderou a desvalorização entre as principais moedas globais

Economia

O dólar acumula queda de 1,49% em abril. Em 2022, o recuo chega a 15,89%.

Economia

Apesar do resultado de ontem, o dólar acumula queda de 7,43%, em março, e de 14,41%, em 2022.

Economia

Apenas nesta semana, o dólar caiu 5,35%. A divisa acumula queda de 7,92% em março e de 14,86% em 2022.

Economia

Esta foi a sexta queda seguida da moeda norte-americana

Economia

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana acumula queda de 4,1% em março. Em 2022, o recuo chega a 11,3%.

Geral

A moeda teve o maior recuo diário desde 31 de janeiro.

Economia

A cotação começou o dia em alta, chegando a R$ 5,26 por volta das 9h30