Nossas redes sociais

Digite o que você procura

Colunistas

CRISE DO OCIDENTE

Nos últimos tempos estamos assistindo uma crise crescente no assim denominado OCIDENTE que engloba principalmente a Europa, a América do Norte e parte da América do Sul.

O OCIDENTE, em grande parte, cristão, capitalista e liberal, dominou a economia, a ciência e a cultura mundial durante séculos, mesmo com uma população e uma área geográfica muito menor comparado com a Ásia, África e Oriente Médio.

Nesse tempo o OCIDENTE impôs ao mundo sua soberania nas finanças e no comércio, sua tecnologia, seu poder bélico, sua cultura, seus produtos industriais. Sua superioridade era incontestável. O mundo não ocidental, assim, durante séculos, foi colônia do OCIDENTE.

Há 100 anos a China e a Índia eram dominadas e subjugadas pelo império britânico (OCIDENTE) que também reinava no Canadá, Austrália, Nova Zelândia entre outros países.

Na China o grande negócio inglês era a venda de ópio, um terço dos chineses eram viciados e o país entrou em acelerada decadência e na prática só conseguiu livrar-se do jugo inglês com a revolução comandada por MAO TSE TUNG com a implantação da República Popular da China num regime comunista. Em 1978 assumiu a China Deng Xiaoping transformando o país no que ele é hoje, uma economia capitalista/comunista, focada em assumir a liderança do mundo.

Na Índia os ingleses exploraram as riquezas do país durante quase 100 anos (1858 a 1947) e o país só conseguiu liberar-se do jugo inglês, adquirindo a sua independência, a partir da revolução pacífica comandada por MAHATMA GHANDI entre 1920 e 1940; Nos últimos anos a Índia está num processo acelerado de desenvolvimento, superando o ocidente e até a China.

Durante as últimas décadas a China e a Índia, junto com Paquistão, Bangladesh, Correia do Sul, Malásia, Indonésia, Vietnã, Filipinas, Singapura e outros países asiáticos são os países que mais crescem no mundo e detêm quase a metade da população mundial.

Se juntarmos a eles a África que está gradativamente caindo nas mãos dos chineses e parte da América do Sul também influenciada pela China, constatamos que o nosso ocidente além de estar em desvantagem economicamente, está perdendo sua influência no mundo.

O OCIDENTE está perdendo seus valores, seus princípios, seu foco e sua garra, enfrentando uma decadência frente aos povos não ocidentais que são mais determinados e disciplinados.

Para mostrar a decadência do ocidente podemos citar a França, onde nos últimos dias as forças armadas alertaram o governo de que o país está à beira de uma guerra civil; Nos Estados Unidos, militares de altas patentes estão alertando o país de que o novo governo está levando os Estados Unidos ao socialismo, o que contraria frontalmente o que os americanos defendiam desde a sua existência.

A Europa, após a segunda guerra, transformou-se numa sociedade socialista esquecendo seus valores ocidentais; Cada vez mais povoada por muçulmanos, que em poucas décadas serão a maioria do povo europeu, com uma cultura não ocidental, eles vão dominar a Europa.

No Brasil também estão em risco os valores ocidentais; As eleições de 2022 vão definir se perderemos logo esses valores ou se ainda teremos chances de lutar por eles.

Quem conhece a história da humanidade sabe que essas mudanças não acontecem por acaso ou de um dia para outro, geralmente começam sem que sejam percebidos; E sempre são fruto da decadência, da acomodação, da falta de foco, da falta de fibra e de determinação daqueles que estão no domínio. Estamos no meio dessa turbulência! Durante os próximos anos o cenário vai ficando mais claro e assistiremos ao desfecho desse processo de mudança.

Contatos: laskesemilto@gmail.com

[ID do metacontrolador=”6167″]

Leia também