Nossas redes sociais

Digite o que você procura

Geral

Lula aumenta imposto de armas de fogo e munições em até 55%

Medida publicada nesta terça-feira (31) pode gerar arrecadação de até R$ 1,1 bilhão em 3 anos, segundo o governo. Foto: Taurus / Reprodução

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou na noite desta terça-feira, 31, um decreto que aumenta o IPI (Imposto sobre Produtor Industrializados) para armas de fogo, munições e aparelhos semelhantes. O texto, publicado no Diário Oficial, amplia para até 55% a alíquota sobre revólveres, pistolas, espingardas, carabinas, spray de pimenta e outros equipamentos, além de aumentar o imposto de munições – anteriormente, a alíquota estava em 29,25%.

De acordo com o governo federal, a medida tem potencial de arrecadação da ordem de R$ 342 milhões em 2024, R$ 377 milhões em 2025 e R$ 414 milhões em 2026, um total de R$ 1,1 bilhão. Além disso, conforme nota do governo, “a medida se alinha com uma perspectiva conceitual de desarmamento da população civil, de recadastramento das armas em circulação e de combate à criminalidade”.

Assim que tomou posse, em 1º de janeiro deste ano, Lula tomou uma série de medidas a favor do desarmamento. O presidente da República suspendeu registros para a aquisição e transferência de armas e de munições de uso restrito por caçadores, colecionadores, atiradores (CAC’s) e particulares, reduziu de seis para três a quantidade de armas permitidas para cidadão comum, suspendeu a concessão de novos registros de clubes e de escolas de tiro e a concessão de novos registros de colecionadores, de atiradores e de caçadores, proibiu o transporte de armas municiadas, a prática de tiro desportivo por menores de 18 anos e reduziu de seis para três a quantidade de armas permitidas para o cidadão comum, entre outras.

Leia também

Política

A Câmara de Vereadores de São Pedro do Sul aprovou na noite de ontem, quarta-feira (22), uma moção de repúdio ao decreto presidencial nº...